Angélique Kidjo canta e encanta.

4AKJed_Root2009 521bbc8f6b0381996b_7tm6bq9ik

Há algum tempo, costumo assistir a documentários sobre África na TV Brasil. Eles acontecem todos os sábados às 22:30, é fantástico. E, num desses episódios, fizeram um programa dedicado à Angélique Kidjo.

Angélique nasceu numa pequena cidade portuária na costa do Benin. Á época, o nome da cidade era Daomé. O pai pertencia ao povo fon (tribo Petah, de Ouidah) e a mãe do ioruba. Seu contato com a arte vem do berço, pois sua mãe foi uma famosa coreógrafa e diretora teatral. O pai também tinha seu pezinho no meio artístico; trabalhava no correio local, mas em momentos de folga se dedicava à fotografia e ao banjo. Assim, com esse incentivo todo dentro de casa, Angélique não poderia seguir uma outra carreira. O fato de viver nesse meio artístico e estar sempre acompanhando a mãe, ela aprendeu vários idiomas. Então pode ser que encontre canções na sua língua materna, a fon, e também em várias outras que ela aprendeu ao longo da vida.

Ela é uma artista é fantástica, fiquei encantada com a voz, performance, fisolofia de vida. Um sorriso e uma voz que transmitem paz, pelo menos é o que sinto. Em seu currículo, ela acumula diversas habilidades, o que a torna uma artista completa: cantora, compositora, dançarina, atriz, diretora e produtora. Ela tem 10 álbuns lançados. No álbum intitulado Djin Djin, regravou uma música de Rolling Stone, Gimme Shelter, com participação de Joss Stone. Angélique sempre procura usar bem a criatividade em seus clipes e, como saldo dessa dedicação, já ganhou Grammy Awards de Melhor álbum de World Music Contemporâneo, em 2008, com esse mesmo álbum citado anteriormente.

Angelique_Kidjo_-_Djin_Djin_album_cover Álbum  Djin Djin, lançado em 27 de abril de 2007

Ela e Joss Stone cantando: 

Além de cantora, Angélique tem um papel fundamental na sociedade. Ela é embaixadora da UNICEF desde 2002 e viaja vários países africanos realizando eventos para ajudar as crianças. Já esteve até no Brasil, em 2009, em nome do próximo, para participar do Festival Black 2 Black para promover encontros artísticos, sociais e políticos para incentivar encontros culturais e sociais entre Brasil e África. Dentre seus vários sucessos, a cantora escolher “Shango” para cantar junto com Margareth Menezes. Ainda não consegui a tradução. Se alguém encontrar, passe para mim, POR FAVOR! Mesmo não sabendo, o som me agradou demais!

Gostaria de falar tudo sobre ela pra vocês, mas é impossível, muito material. O ideial é mesmo pesquisar sobre Angélique e verá o quanto ela é boa no que faz.

Vejam alguns vídeos que dela:

1 – Um trecho dela cantando com Margareth Menezes

2. Clipe Shango

3. Música Agolo

4. Wombo Lombo

AK_1

FONTE:

EBC (TV Brasil)

Advertisements

Você já comeu Jissombre?

10407577_828446913909214_7464389104596528419_n

Pra quem nunca ouviu falar, essa larva é bastante encontrada na província de Uíge, em Angola. Parece nojento de comer, mas para quem vive lá é uma das iguarias mais deliciosas. E seu modo de consumo é cozidas e tostadas.

Fonte:

Jornal de Angola

Meu primeiro artigo sobre as línguas africanas no Brasil.

Línguas Africanas: a influência das línguas africanas no idioma brasileiro

Apresentação1