Ússua. Dança sãotomense.

Dança

A Ússua é uma dança com matriz europeia que nasceu no século XX e, posteriormente, foi adaptada pelos sãotomenses. A composição da orquestra se fazia por base em instrumentos europeus e africanos: acordeões e tambores, respectivamente. Até a década de 60, a Ússua era ensinada às crianças nas escolas e hoje ela continua a ser dançada em diversas ocasiões para apresentações públicas.

Para reproduzir os sons, são utilizados pianos, violas, colunas, microfones, mesas de mistura e tambores. A dança realiza-se através de uma inter-relação entre homens e mulheres, os quais se agrupam num tipo de fila indiana. Cada lado, ou seja, cada gênero (masculino e feminino) precisa ter a mesma quantidade de participantes e vestidos a rigor. Os pares se apresentam por vez, num movimento sucessivo e coordenado usando o centro do palco para melhor fazer sua demonstração.

Assistam ao vídeo abaixo. O som é bem gostosinho de ouvir, adoraria compreender a língua na qual estão cantando!

Fontes:

STP Serviços turísticos

Portal Patrimônio Cultural STP

Advertisements

São Tomé e Príncipe. 40 Anos de Independência.

Independencia-São-tome-e-principe-01

Depois de algum há algum tempo sem postar aqui no blog, hoje o Coração Africano vai lá pras ilhas de São Tomé e Príncipe. O país foi também colonizado pelos portugueses, como alguns outros países africanos e o Brasil. A chegada dos navegadores portugueses João de Santarém e Pedro Escobar é datada no ano de 1470, 30 anos antes de o nosso Brasil ser descoberto. Como dito anteriormente, São Tomé e Príncipe são ilhas, portanto, não fazem fronteiras terrestres. Está localizado no Golfo da Guiné, no Oceano Atlântico. Os países mais próximos são Gabão, Guiné Equatorial e Camarões. O país é um arquipélago constituído por duas ilhas: a de São Tomé, com vários ilhéus, como o Ilhéu das Rolas e as Sete Pedras; e Príncipe, onde estão o Ilhéu Bombom, Boné de Jockei, a Pedra de Galé, as Tinhosas e os Mosteiros.

Mapa 2

Vejam as fotos de algumas ilhas:

Ilhéu das Rolas – São Tomé

Ilhéu das Rolas 2 Ilhéu das Rolas

Ilhéu das Cabras – São Tomé

Ilhéu das Cabras 2 Ilhéu das Cabras

Sete Pedras – São Tomé

Ilhéu das Sete Pedras

Ilhéu Bombom – em Príncipe

Ilhéu Bombom - ponte mais de perto Ilhéu Bombom - ponte que liga à ilha do Príncipe

Boné de Jockey – em Príncipe

Ilhéu Boné de Jockey

Pedra de Galé – em Príncipe

Pedra de Galé em Príncipe

Imagens de São Tomé e Príncipe

Imagem aérea de São Tomé e Príncipe Imagem São Tomé e Príncipe

O início do processo de colonização foi marcado pelo cultivo da cana-de-açúcar, já que as boas condições climáticas favoreciam essa produção. Porém, conquistou um concorrente forte aqui na América do Sul, o Brasil. Então, passaram a tentar recuperar a economia por meio das plantações de cacau e café, foi um sucesso. Toda essa fase de cultivo da cana-de-açúcar, posteriormente do cacau e café aconteceu por meio da mão de obra escrava. A conquista da abolição aconteceu pelos anos de 1870 passando a condição das pessoas escravizadas para trabalhadores com trabalho contratual. Ainda assim, como aconteceu e reflete ainda no Brasil, a opressão se manteve significativamente.

A partir da metade do século XX, a sociedade santomense tomou uma posição bastante importante para os cidadãos, os movimentos de liberdade passaram a se manifestar mais. Em 1960, foi criado o Comité de Libertação de São Tomé – CLSTP – que dá origem, em 1974, ao Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – MLSTP. As influências comunistas começam a fazer sentir-se. Em 1974, a Revolução de 25 de Abril, em Portugal, põe termo ao regime de ditadura e, no ano seguinte, a 12 de Julho, São Tomé e Príncipe alcança a independência. O MLSTP assume o poder e designa Manuel Pinto da Costa como primeiro Presidente da República Democrática de São Tomé e Príncipe, ao qual sucede, em 1991, Miguel Trovoada, reeleito em 1996 até 2001; de 2001 a 2003, Fradique de Menezes e se reelegeu ocupando o cargo até 2011. O atual agora é Manuel Pinto da Costa.

Bandeira  A Bandeira de São Tomé e Príncipe foi adotada a 5 de novembro de 1975. O triângulo vermelho simboliza a dura luta pela independência, as duas estrelas negras representam as duas principais ilhas do país, a de São Tomé e a de Príncipe, o verde representa a exuberante vegetação das ilhas e o amarelo as suas riquezas, especificamente a resultante da produção do cacau.

Fontes:

Bandeira

História e Cultura

Brasil Escola

Embaixada de São Tomé e Príncipe